Six Myths About Choosing a College Major

Worth reading the NY Times article on Six Myths About Choosing a College Major. Below are the 6 myths and more is available in the full article.

Myth 1: For the big money, STEM always delivers.

Myth 2: Women want to have it all.

Myth 3: Choice of major matters more than choice of college.

Myth 4: Liberal arts majors are unemployable.

Myth 5: It’s important to choose a major early.

Myth 6: You need a major.

See the chart below for projected earnings of different career fields. If interested read the full article: Six Myths About Choosing a College Major

Screen Shot 2017-11-13 at 08.54.57

Conhecendo mais o MIT

Com o sonho de estudar no MIT (Massachusetts Institute of Technology), alunos do Ensino Fundamental e Médio participaram de evento com especialistas para saber mais sobre sua história – marcada pela excelência nas áreas de ciências, tecnologia e engenharia –  e suas possibilidades de estudo.

mit001

Oferecida pelo Departamento Internacional, a conversa contou com a Dra. Elaine Lizeo, Brazilian Chair – MIT Educational Council – e coordenadora do time brasileiro de entrevistadores de candidatos para a graduação do MIT, e Fernando Carvalho, que desde 2007 implementa um trabalho de divulgação no Brasil de oportunidades educacionais no programada de graduação do MIT.

mit002

Especialistas no assunto, Elaine e Fernando contaram sobre a missão da instituição, o perfil dos alunos, as cinco escolas presentes no Instituto (School of Engineering; School of Architecture and Urban Planning; School of Science; School of Humanities, Arts and Social Sciences; Sloan School of Management).  Também deram um gostinho da vida por lá, enfatizando a atmosfera de liberdade e política de portas abertas do MIT. Apesar disso, o tom de realidade marcou a conversa uma vez que é difícil entrar na instituição onde a média de brasileiros admitidos por ano é de apenas quatro.

“Consegui ver que muitas das minhas ideias se encaixam no MIT” comentou a aluna da 3.a série do Ensino Médio, Tathiana Tang. “Eu aprendi mais sobre o tipo de pessoa que entra no MIT e um pouco de como seria minha vida lá. Estimulou ainda mais meu interesse pelo instituto”, acrescentou João Shida, da 3.a série do Ensino Médio.

mit003

Além de tirar dúvidas dos alunos, os convidados também deram informações detalhadas do processo de aplicação e, a partir de suas experiências, contaram uma série de histórias de jovens brasileiros que estudaram nos Estados Unidos. “Na sua aplicação, faça um trabalho que realmente signifique algo para você”, disse Elaine durante a conversa. Ela ainda destaca a autonomia dos alunos do Band, característica em comum com os estudantes do instituto que sempre buscam fazer a diferença. “Aproveitem o processo de aplicação para as universidades americanas como uma reflexão sobre quem você é”, ressaltou Fernando.

mit004

Para inspirar ainda mais os estudantes, houve uma chamada online com dois brasileiros que se formaram no MIT. Clarissa Forneris, formada no Band em 2008, cursou Química e falou sobre sua trajetória desde a escola até o seu atual doutorado, realizado na Princeton University. A aluna destacou as oportunidades educacionais e de pesquisa presente no MIT. Além dela, Marco Antônio Lopes, formado em Computação e Engenharia Elétrica, também deu seu depoimento.

Para saber mais sobre a conversa, clique aqui.

MIT: Know more from the experts

Want to know more about MIT? The experts who were at Band wrote a text with lots of juicy details! The introduction is below and the full document is on Moodle.

Massachusetts Institute of Technology

por Dra. Elaine Lizeo & Fernando Carvalho*

No último dia 09 de outubro, estivemos no Colégio Bandeirantes para uma palestra sobre o renomado MIT, Massachusetts Institute of Technology. Estavam presentes alunos do ensino médio e fundamental. Na palestra, abordamos diversos temas sobre o Instituto de um modo geral, e mais particularmente sobre sua história,  atmosfera, as 5 escolas que constituem o Instituto, a estrutura do programa de graduação e as inúmeras oportunidades educacionais disponíveis no MIT, além da natureza e especificidades de seu processo de seleção.

O evento foi bastante enriquecido com a participação de dois novos membros do time de entrevistadores do MIT aqui no Brasil, Clarissa Crego Forneris, formada no MIT em 2013 com um Bacharelado, BS, em Química, e Marco Antonio Lopes Pedroso, formado no MIT em 2014 com um Bacharelado, BS, em Ciências da Computação e Engenharia, e em 2015 com um Mestrado em Engenharia Elétrica & Ciência da Computação.

O MIT é reconhecido mundialmente pela sua excelência e liderança nas mais diversas áreas do conhecimento: Engenharia, Ciências, Tecnologia, Linguística, Economia, entre outras.

Procuramos contextualizar historicamente a fundação do MIT. Diferentemente de outras universidades mais tradicionais como Harvard (1636), Yale (1701) e Princeton (1746) fundadas ainda sob a dominação britânica encerrada com a guerra de independência americana (1775-1783), o MIT foi fundado em 1861 em Boston, mas iniciou suas atividades em 1865, ao final da guerra civil americana, com o propósito de servir ao esforço de industrialização de uma nação independente em construção, vivendo sob uma atmosfera de grande liberdade.

O MIT tem como missão “promover o conhecimento e educar alunos em ciências, tecnologia e outras áreas que melhor servirão a nação e ao mundo no século XXI”. O Instituto está empenhado em gerar, disseminar e preservar o conhecimento e trabalhar com outros para aplicar esses conhecimentos aos grandes desafios do mundo.

Ao longo do tempo, o MIT se transformou de uma escola de engenharia propriamente dita para uma universidade baseada em ciências (Science-based University), cujo objetivo principal é criar a economia mais avançada do futuro estimulado por diversos centros de empreendedorismo em tecnologias de ponta (Entrepreneurship in High Technology). MIT Professor Ed Roberts,  fundador e presidente do Martin Trust Center for MIT Entrepreneurship at the MIT Sloan School of Management,  em um artigo publicado no Slice of MIT em janeiro de 2017, afirma que  estudos recentes mostram que ex-alunos do MIT em atividade criaram mais de 30.000 empresas em funcionamento, com 4,5 milhões de funcionários, o equivalente em receitas à 10º economia do mundo.

A pesquisa interdisciplinar e a cultura de cooperação entre alunos, professores e pesquisadores de diferentes áreas do conhecimento estão disseminadas nas 5 escolas que constituem o MIT: School of Engineering, School of Architecture and Urban Planning, School of Science, School of Humanities, Arts and Social Sciences, e a Sloan School of Management. O departamento de Matemática do MIT funciona como uma espécie de centro de gravidade do Instituto. Lógica matemática, modelos matemáticos, matemática discreta e contínua são insumos presentes na grande maioria das pesquisas das mais diversas áreas do Instituto.

A atmosfera de grande liberdade, a política de portas abertas e a flexibilidade da estrutura acadêmica e de pesquisa existentes no MIT têm atraído alunos brilhantes e pesquisadores de renome mundial. Entre eles podemos citar: Sir Tim Berners-Lee, 2016 Turing Award (o prêmio Nobel da Ciência da Computação), considerado o inventor da world wide web; Eric Lander, MIT Biology Professor, o pai do projeto Genoma, fundador e presidente do Broad Institute, uma associação do MIT, Harvard University e hospitais da região de Boston; Noam Chomsky, MIT Institute Professor, pai da Linguística Moderna;   Ronald Rivest, Institute Professor  e criptógrafo;  Donald Sadoway, MIT Professor of Solid State Chemistry; Tom Leighton, MIT Professor of Applied Mathematics e CEO da Akamai.  Para citar um ex-aluno de grande reputação, Richard Feynman, MIT Class of 1939, SB – Bachelor Of Science, Course 8 – Physics e 1965 Physics Nobel Prize, um dos mais importantes Físicos do século XX e uma fonte de inspiração para jovens talentosos na área de ciências do mundo todo.

Como funciona o curso de graduação do MIT  

Os alunos iniciam o curso de graduação no MIT com uma área de concentração não declarada. Durante o primeiro ano, o Instituto oferece feiras acadêmicas, palestras, seminários e outros programas para ajudar os alunos a decidirem quais áreas melhor se adequam aos seus interesses e objetivos de estudos e carreira, opção essa que deverá ser feita até o inicio do segundo ano. O MIT oferece um leque de opções de estudos em mais de 70 áreas do conhecimento.

Independentemente da área a ser escolhida, se Física ou Linguística, Matemática ou Ciências Políticas, todos os alunos da graduação, sem exceção, têm que cumprir um currículo básico requerido pelo MIT, conhecido como GIRs (General Instituto Requirements). Devem ser cursadas 6 matérias na área de ciências (Matemática, Física, Química e Biologia), 8 matérias na área de humanas, 2 matérias eletivas restritas à ciências e tecnologia e 1 laboratório. Esses requerimentos são considerados a base acadêmica do MIT.

Para aliviar a pressão e garantir a exploração de áreas que de início o aluno não consideraria, seja por achar muito demandante ou por não ter nenhuma base a respeito, o Instituto segue o sistema de pass/no record para o primeiro semestre e ABC/no record para o segundo semestre. Nesse sistema, as reprovações não são registradas no histórico escolar do aluno no primeiro ano da graduação. No primeiro semestre os alunos recebem um “pass”  nas matérias em que forem aprovados e no segundo semestre recebem as devidas notas A, B ou C nas matérias em que forem aprovados, sem registros das reprovações.

Aqueles alunos que demonstrarem um aproveitamento muito abaixo do esperado no primeiro ano podem ser convidados a voltar para casa, para se prepararem melhor e eventualmente retornarem ao MIT para continuar seus estudos.

O MIT disponibiliza para os alunos da graduação o UROP – Undergraduate Research Opportunities Program, um programa único entre as universidades americanas, onde os alunos têm a oportunidade de participar desde o início da graduação de projetos de pesquisa liderados por professores de renome do Instituto.

Também único do MIT é o IAP, Independent Activities Period, um termo, que compreende o mês de janeiro, quando não há aulas regulares, e oferece a alunos, professores, ex-alunos e funcionários a oportunidade de organizarem e participarem de uma enorme gama de atividades e cursos. Durante o IAP, os alunos regularmente matriculados nos diferentes programas podem cursar matérias e participar de seminários e workshops que contam créditos.

Para maiores informações acesse o link:

http://mitadmissions.org/discover/academics

Keep reading this on Moodle!

 

* Dra. Elaine Lizeo, Brazilian Chair – MIT Educational Council, é desde 2008 coordenadora do time brasileiro de entrevistadores de candidatos ao programa de graduação do MIT. No período de 2003 a 2006, trabalhou no MIT Admissions Office, em Cambridge, como application reader do pool americano e internacional.

Fernando Carvalho, tem uma história relacionada ao MIT iniciada no ano de 1995, quando, em conjunto com Elaine Lizeo, desenvolveu um trabalho muito bem sucedido de ampliação da representatividade brasileira no programa de MBA da MIT Sloan School of Management, situado no topo do ranking dos programas de MBA dos Estados Unidos naquele ano.

Desde 2007, Elaine e Fernando, autorizados pelo MIT Dean of Admissions, Stu Schmill, têm desenvolvido no Brasil um trabalho sustentável de divulgação de oportunidades educacionais no ultra competitivo programa de graduação do MIT, e em Cambridge junto ao Admissions Office, visando uma maior visibilidade dos brasileiros que gozam de excelente reputação dentro da comunidade de graduação do Instituto.

 

Should You Apply Early Action vs Early Decision?

Today is the deadline for Early applications and several of our seniors are submitting applications today. Below is a text from Princeton Review on Early Action vs Early Decision and important things to consider.

Many colleges allow applicants to submit their materials for an early deadline (sometime in the fall) that falls before the regular deadline (usually sometime in January or February). Here’s what you need to know.

Advantages of applying early
Show You’re Serious
Applying early lets your favorite school (or schools) know that you are serious about attending. Schools track how many applicants accept their offers of admission and release those numbers to the public. A school looks good when a high percentage of accepted applicants chose to attend. So if they think you’re likely to accept their offer of admission, it may give your application a leg up.

Cut Down on Admission Stress
If you are accepted to your dream school, you won’t have to bother with the time and expense of applying elsewhere. You can put your focus back on right now instead of one year from now.

Some students and high school counselors believe that applying early decision gives them better odds of acceptance, but the truth is early acceptance rates and admissions standards vary from school to school. You can find early decision application numbers and acceptance rates for many schools in our Best Colleges book, and don’t be afraid to ask an admission counselor at your dream school directly about their early admission practices.

There is a (potential) disadvantage to applying early, however. You may not have the opportunity to compare financial aid packages offered by other schools.

Early Action vs Early Decision
Most schools allow you to apply early in one of two ways: early decision or early action.

Early decision
Early decision is binding. This means if you are accepted through early decision, you are committed to attending that school, and will withdraw any applications you may have submitted for the regular deadlines at other schools. You may not apply to more than one college under early decision. If you are not accepted, you will either be rejected or deferred. Rejected applicants may not apply again that year. Deferred applicants will be reconsidered during the regular admission period, and are free to apply to other schools.

Early decision deadlines are often in November, and students are typically notified of the decision in December.

Early action
Early action is non–binding. This means you are not bound to attend if you are accepted. You may also apply early action to multiple colleges. Early action deadlines usually fall at the same time as early decision.

The obvious advantage of early action over early decision is the opportunity it gives you to apply to, and ultimately compare financial aid packages from several schools. If you are accepted early decision, you risk missing the admission deadlines of other schools while you wait for your award package to arrive. If that award is lackluster, your options are fewer.

Our Advice
If you’re sure that you’ve found your best-fit school, you know it’s one you want to attend, you’re a strong candidate for admission, and you know that you can afford the tuition, go ahead and apply early decision.

That is a whole lot of research and comparison to have done by fall of your senior year, though, and if you’re uncertain about any of those factors, you’re not alone! Keep your options open by applying early action, or by the regular deadline.